De janeiro até agora foram 429 casos, que representa um aumento em relação ao mesmo período de 2017. Em todo o ano passado o órgão registrou 1.381 situações de violência.


Por G1 MA, São Luís

 

Campanha busca incentivar o envelhecimento saudável e digno para idosos no MA

Campanha busca incentivar o envelhecimento saudável e digno para idosos no MA

No Maranhão, dez casos de violência contra idosos são registrados por dia, conforme dados da Defensoria Pública do Maranhão. De janeiro até agora foram 429 casos, que representa um aumento em relação ao mesmo período de 2017. Em todo o ano passado o órgão registrou 1.381 situações de violência.

Também em 2017 o Ministério Público do Maranhão, por meio da Promotoria do Idoso, registrou 1.781 denúncias de casos de violência contra idosos. Os maus tratos lideram o ranking, seguidos de negligência e apropriação de bens e rendimentos dos idosos por parte de familiares ou terceiros. Já na Delegacia do Idoso foram 1.707 ocorrências em 2017.

“Os números vêm crescendo. Neste ano, no paralelo de janeiro a abril, já houve um acréscimo em relação ao ano passado. Então nós temos que intensificar cada vez mais a capacitação e o investimento na prevenção a violência”, afirmou o Defensor Geral do Estado, Alberto Pessoa Bastos.

Campanha

A Campanha de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 2018 lançada em São Luís nesta terça-feira (5) pela Defensoria Pública em parceria com instituições da Rede Nacional de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa busca incentivar a sociedade a contribuir para um envelhecimento digno e saudável.

“A gente tem que realmente lutar. As pessoas que trabalham tem que lutar porque a violência está muito grande. Tanto a violência psicológica, quanto física é muito grande. Nós temos que batalhar para que isso pelo menos minimize”, declarou Astemar Castro, presidente da Associação Brasileira de Clubes da Melhor Idade.

Campanha de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 2018  foi lançada em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Campanha de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 2018 foi lançada em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Casos

No ano passado, Raimundo Vieira dos Santos, de 72 anos, foi encontrado abandonado em um cativeiro doméstico e dormindo em um colchão velho e sujo. O resgate foi realizado pelo Ministério Público após denúncia de vizinhos. Segundo ele, não havia outro lugar para ficar.

“Aqui é a minha casinha. Mora eu e Deus aqui”, contou Raimundo.

Raimundo Vieira vivia em colchão velho e sujo (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Raimundo Vieira vivia em colchão velho e sujo (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Além de Raimundo Vieira, Genarina Alves e José João estavam desamparados quando denúncias de vizinhos levaram as autoridades a encontrá-los e resgatá-los em julho do ano passado. Genarina Alves, de 92 anos, foi resgatada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e pelo Ministério Público do Maranhão após denúncias de vizinhos de que ela estaria sendo maltratada pelo seu filho. Josafa Alves, filho da idosa, foi preso por suspeita de maus-tratos.

Equipes do SAMU prestaram os primeiros socorros à Genarina (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Equipes do SAMU prestaram os primeiros socorros à Genarina (Foto: Reprodução/TV Mirante)

José João, de 69 anos, foi encontrado dentro de uma rede no fundo do quintal de uma residência de São Luís em agosto de 2017. Em denúncia feita a Defensoria Pública, há relatos de que os vizinhos mais próximos ouviam gritos, gemidos e que ele ficava sem assistência e alimentação todos os dias.

Idoso de 69 anos foi encontrado dentro de uma rede no fundo de um quintal em São Luís. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Idoso de 69 anos foi encontrado dentro de uma rede no fundo de um quintal em São Luís. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Em maio de 2017, as cenas de violência praticadas por Roberto Elísio em sua própria mãe de 84 anos, Josete Coutinho, foram flagradas e divulgadas nas redes sociais. Segundo o Ministério Público, Roberto cometeu três crimes previstos no estatuto do idoso: Maus tratos, abandono e apropriação indébita, porque ele foi acusado de ficar com todo o dinheiro da aposentadoria da mãe.

Em outubro do mesmo ano, Roberto Elísio foi condenado a 10 anos de prisão. Atualmente, ele cumpre prisão em regime fechado no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Roberto Elísio Coutinho se dizia arrependido em cometer as agressões e afirmava que sofria de problemas mentais. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Roberto Elísio Coutinho se dizia arrependido em cometer as agressões e afirmava que sofria de problemas mentais. (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Faça um comentário

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor, deixar cometário.
por favor, digite o seu nome